2010-11-23

Por não trazer no equipamento
um botão de desligar

inclino-me aprumado para a vertente
do cansaço

guardando nos ossos a inscrição lapidar
do esquecimento.

3 comentários:

Lídia Borges disse...

"Um botão de desligar" faz falta, tantas vezes... O cansaço transborda do poema e faz doer a alma.


Um beijo

Anónimo disse...

Caro poeta,
não possuimos botão de desligar nem tão pouco um de reiniciar.... tanta falta fazem... um novo arranque pede-se, em momentos de desalento...pois é na nossa alma que ficam guardadas todas as memórias, e o seu reflexo no nosso espelho!

A sua L...

gabriela r martins disse...

que o natal - já passado - tenha sido cheio de poesia e o novo ano ,que se aproxima ,pleno de palavras prontas a moldar.......

felicidades e


.
um beijo