2010-04-09

Bem sabes que não sou capaz
de dizer adeus
porque o amor tem sempre
a impossibilidade
da despedida
por não haver nele
nenhuma forma de morrer
como a luz do crepúsculo
que quando aqui se apaga
é para fazer dia noutro lugar.

E por isso não julgues
que tenha perdido
o norte
dentro da estátua de mármore
em que me transformaste
ao sul
dos teus olhos.
Como uma ostra no fundo do mar
vou depositando esta pérola no coração
para te deixar.

6 comentários:

Graça Pires disse...

Um poema muito belo!
Não morrer para recolhar a pérola que substitui o adeus. É amor...
Beijos.

Ana Cristina Cattete Quevedo disse...

Dizer adeus é muito difícil.
Sempre.

Delirius disse...

... ficou tão belo assim :)
Gostei da correcção que fizeste!

Na linguagem do Amor, não existe adeus, mesmo que seja forçoso que as pessoas se separem. Quem diz adeus não somos nós, é o coração!
Tu sempre tão imenso na tua poesia!

Beijo.

Anónimo disse...

Já escrevia Neruda:
"Curto é o amor, longo o esquecimento".

Anónimo disse...

o amor tem sempre impossibilidade da despedida...lindo o poeta que assim pensa
ele é eterno nós é que somos efémeros..

Beatrice disse...

olá

levei este poema por empréstimo, espero que não se importe.

se não concordar será imediatamente retirado com muita pena minha,

bom fim de semana|