2010-03-03

Porque já não há em casa
cobertores suficientes
que nos agasalhem
do inverno glaciar
onde caímos
e nem os papéis
nos bastam
para atear o lume
é urgente
inventar o amor
(...)
Como se escrevessemos
a branco o clarão
para não mancharmos
de tinta a neve
nem a condição
do poema.

1 comentário:

Lara Amaral disse...

Lindo poema.

Sempre bom vir aqui para ler-te, José.

Beijos!