2009-05-07

*
A minha angústia não és tu, mas o desejo de tornar silenciosos os momentos para que o abismo dos dois jamais se volte a pronunciar, para que as nossas vozes se diluam num grito uníssono que a tua existência em mim tornou possível. Para que a minha voz deixe de ser a minha voz, e a tua, a tua, para que as nossas vozes não sejam apenas as nossas vozes, as nossas vozes um no outro, para que noutro lugar, noutro tempo, noutro espaço, onde houver silêncio, haja a marca edificante do amor, como qualquer coisa além de nós fundada pela presença que tivemos mutuamente.
A minha angústia não és tu, nem eu. A angústia é a certeza da minha aniquilação, a certeza do fim do tempo que tenho para cantar contigo, a certeza do definhamento dos meus gestos, das minhas palavras, a certeza de que, depois de mim, não te hei-de pertencer, não me hás-de pertencer.
Porque. Porque a minha angústia é ímpar e minha. Depois de mim nem sequer o sentimento de ter sido simplesmente um homem com medo de um dia deixar de te escutar.
Não. Não mais o cansaço de te de guardar até ao limite do incondicionado. Entrego-te à sorte de seres um barco ou avião de papel a esvoaçar das mãos da criança que eu era.
E então voltarei a ser apenas um homem.
* (para os que desconfiavam que eu não escrevia prosa)

5 comentários:

lagrima disse...

Adorei passar aqui, e no "Profdesterrado", deixa-me seguir-te. :-)

lagrima disse...

Tu és!
Eu sou!
Sim, eu sei!...
:-) eu voltaria mesmo que tu não deixasses!
O teu texto, comecei por engoli-lo!
Agora vou degustá-lo, saboreá-lo!... Depois volto!... Bj.

Lídia Borges disse...

Tocante, este texto!


Obrigada pela visita às minhas "searas".

Delirius disse...

A tua prosa é perfeita poesia! São dizeres belos de algo que se não vê, são da alma, de sentires de sangue, de fogo, de dor e também de "agua que rebenta pelos olhos". A tua prosa é pessoa feita poesia e que me encanta ler.

Beijo.

Manual do Inseguro.com disse...

E como escreve! Lindamente! Você, decididamente, não precisa de um adestrador já que conta com o luxuoso auxílio das palavras para adestrar os seus sentimentos. Obrigada pelo carinho.