2019-04-15

Uma justiça para fazer a homenagem à Sílvia que perdi na tradução ... 

Tu verras, nous retournerons au point de départ
Et nous danserons ensemble vers l’oubli.
Peut-être que je n’arriverai plus chez toi
Il est peu probable que je trouve le chemin de retour.
Mes pieds s’emmêlent dans les cheveux
Et je suis fatigué de lutter contre les interminables murs
de tissu capillaire
la brutale machine de la trame des discours de dieu.
Dix canifs poussent de mes mains
Chacun est un couteau pour trouver le chemin
Chacun est une arme blanche pointée vers l’oubli
Chacun est un couteau pointé vers le mot oubli
Ou aux mots chemin et oubli.
Je garde dans mes poches les papiers que tu m’a donné
Les noms qui ont inventé chaque lettre de l’alphabet
La lettre qui a dessiné les numéros et les jours de la semaine.
Je suis couché à compter les jours, tu sais
Je ne sais pas d’où me sont nées les racines que j’ai dans les yeux
Chacune est un fleuve dans les miroirs, un morceau de moi dans les miroirs
Comme un bateau ancré ou à la dérive dans ce siècle.
J’écris pour lutter contre la folie de mourir à l’intérieur
Me souvenir de la pré histoire d’être lá avec moi, quand était-ce ?
Je ne sais pas quand sont nées ces cicatrices dans la chair ou dans les yeux
Certainement dans ton premier cri
Comme cent violons au plus profond de moi-même
Un hymne à la certitude de rester ici .
J’attendrai que le calendrier nous ramène vers le début
Et me rende dans la peau les années perdues dans ces papiers.
Qu’il me rende la certitude de ne pas oublier
Et dans les autres siècles de me souvenir
Du jour où je reviendrai, mon amour.
Pour A. B et son héros Gulliver

2019-02-20

Amei como a estrada começa
Levando comigo
cada um dos meus amores.

Conservei-os dentro de mim
sem a angústia de que morressem à sede
no deserto de os deixar.

Por não encontrar nenhum indício do regresso
Batizei-me para me lavar do medo
de não voltar ao ponto de partida...

E descobri dentro de mim duas mãos
na cabeça de um santo de barro
que me acalentaram o coração.

Ainda não tenho as pernas cansadas
nem a saliva me falta para narrar a minha fé.

Um dia talvez a estrada me vença!

Para amar como a estrada começa
há que deixar um vestígio que oriente o caminho

de outro peregrino.

2014-03-20

Para celebrar 10 anos deste blogue... Foi assim que ele começou no dia 14 de Janeiro de 2004:

2004-01-14

A palavra pode ser a única farmácia de serviço na noite da derradeira prescrição médica.

2014-02-25

As ondas do mar são como as mulheres
às vezes serenas e dóceis,
como a frescura de um baptismo
que nos lava da certeza
de uma morte infinita.

 Outras vezes agigantam-se
 e são um mar revolto de fome
 e de sede
 de conquista da terra.

Agigantam-se tenebrosamente
para engolir a servil lida masculina
e são a espuma a borbulhar
como o clamor de um mar exaltado.

Essas mulheres com íntimos abismos
de uma profundidade oceânica
elas são o vício e o precipício
que enleva a nossa verticalidade.

Elas são o oceano da nossa alegria.

2013-11-28

para o pescador 
Que seja decretado ao mar
um minuto de silêncio
e que não se inquiete o lamento 
nem a saudade da mulher
onde o pescador
embarcou o coração.

Diante de nós o seu tamanho 
é de uma altura igual
ao das ondas gigantes 
aquelas que ultrapassam
o limite vertical da distância
entre os olhos

o ponto mais baixo
para o qual a água desce.



2013-05-08

Quando me sentir estar morto decidirei talvez procurar uma lente para minuciar aquilo que perdi por obnubilação das vistas.
(Não dos olhos, que esses míopes, nem um palmo conseguem ver à sua frente, devido à condição sociopolítica de um meio ambiente de esquizofrenia paranoide com alucinações e delírios que subjugam o direito inalienável à manutenção do corpo e da vida condigna).
Vistas inquietas que me fogem para lá da fronteira destas quatro paredes porque a sua condição é unicamente a política externa da alucinação guliveriana das mamas da vizinha.
Horizonte é delírio bastante  para zarpar pela janela e ir direto ao assunto ou não fosse a minha condição geoestratégica impossibilitante devido ao formigueiro liliputiano de um viriato aquartelado em quatro paredes.
Estou a imaginá-la, por magia, nua, em frente ao espelho com os seios apontados como faróis à mesa das negociações, sem a consciência dos olhos vir ao de cima,  ao mesmo tempo que as vistas deambulam num solilóquio interior com sintomas de apoplexia provocada pela casa da vizinha pregada ao televisor.
Apoplexia provocada pelo derrame quimérico de que cada um de nós pode viver uma vida inteira sem rugas, nem patas de galinha a comerem-nos os olhos.
Nenhum espelho capaz de nos devolver a singular e universal condição humana crescente e senescente que nos faça aproximar da origem...

E por isso, quando sentir que estiver morto, o melhor é permanecer de olhos fechados e com a cara tapada
e guardar o último e fugaz sorriso sem desvios oftalmológicos
nas nuvens de amor e de tabaco -
em ambos casos produzidas pela combustão das bocas...
em ambos os casos um vício
ou um precipício do espelho do que somos...

2011-10-27

Era uma vez um prego que se soltou
da ferradura do cavalo de um general.

Era uma vez uma ferradura que se soltou
da pata do cavalo de um general.

Era uma vez um cavalo coxo de um general
que fez cair abaixo da cela o general.

Era uma vez uma força do exército de um general
uma força do exército sem comando do general.

E assim como assim
devido à causa primeira,
segunda e terceira
toda a infantaria caiu
depois a cavalaria caiu
depois a artilharia foi bombardeada
depois a engenharia ruiu
depois a intendência fugiu
depois a comunicação deixou de ser comunicação.

Era uma vez um país que perdeu a guerra
por causa de um prego que se soltou
da ferradura do cavalo
de um general...

Um prego?!

2011-03-21

Ainda que todas as bocas se arrebatam ao som do hino de trompetes e que a noite pese séculos e séculos de silêncio cantando os naufrágios dos moinhos de vento cantando os naufrágios dos faróis da ilusão. Ainda que a manhã indecisa demore e que gigantescas ondas se abatam turbulentas inquebrantáveis ondas que nos varram deste chão e que a todos os homens e mulheres emudeçam. Ainda que o mar engula todos os navios e barcos usurpando o perfume de Penélope em terra no último fôlego de Ulisses... Um poeta é quanto baste para o erguer do abismo e os vermes não calarão o seu grito. * dia Mundial da Poesia - Bilioteca Municipal de Vila do Conde

2011-02-04

apetece-me abrir-te
e escalar-te
como se fosses um peixe
de prata
revolver-te no lume
que se atiça
nas furnas da pele
e dar-te a beber
da originária fonte
a torrente
que se inunda
na boca.

2011-01-25

No princípio dos tempos era a noite
e o dia pronto a nascer dentro noite
dentro do dia havia uma casa
e um homem num quarto
dentro da casa
no princípio dos tempos
havia no quarto dentro da casa
um homem
e uma mulher
que gerava frutos dentro do ventre
que se acendiam como luzes
para fora do dia
onde uma criança brincava
e envelhecia
na esperança que uma árvore
lhe nascesse por debaixo dos pés
para a fazer levitar
até à janela do quarto do homem
por não suportar
escutar nele o gemido
louco da mãe
que luzia
para fora da noite.

2010-11-23

Por não trazer no equipamento
um botão de desligar

inclino-me aprumado para a vertente
do cansaço

guardando nos ossos a inscrição lapidar
do esquecimento.

2010-10-14

A propósito do resgate dos mineiros no Chile e desconfiando da ironia do ciclo do eterno retorno, lembrei estas palavras que Pablo Neruda nos deixou na sua autobiografia, publicada em 1974, depois da sua morte:" (...) o meu prémio é esse momento grave da minha vida quando na mina de carvão de Lota, sob o pleno sol na salitreira abrasada, da cova escavada na falésia, subiu um homem como se tivesse subido do Inferno, com a cara transformada pelo pó, e estendendo-me a mão endurecida, essa mão que leva o mapa da pampa nos seus calos e nas suas rugas, me disse com os olhos brilhantes: 'já te conhecia há muito tempo, irmão'. Esses são os louros da minha poesia, esse buraco na pampa terrível, de onde sai um trabalhador a quem o vento e a noite e as estrelas do Chile disseram muitas vezes:'tu não estás sozinho; há um poeta que pensa no teu sofrimento'." - PABLO NERUDA, Confesso que he vivido.
* são muito raras as incursões crónicas neste blogue, mas dada a imposição da circunstância e a aridez poética que me assiste, só posso curvar-me de novo perante um gigante e dizer-lhe, que hoje, vi a sua história repetir-se.